Enfrentando a Trovoada

May 28, 2016    shadow 600 viagem emoção

Essa noite tive um sonho desses que a gente acorda depois e dá risada do quão maluca pode ser a nossa mente. Envolvia praia, ondas que foram aumentando, e então uma tempestade no horizonte, acompanhada de um tornado que se aproximou mais depressa que o esperado. Era como um raio laser do céu. Não fazia tanto vento no fim das contas, mas rasgava a areia deixando um rastro de retro-escavadeira no chão.

Ora bem, esse texto não é sobre esse sonho. O que acontece é que ele provocou memórias. Sim, lembranças incríveis de uma aventura que trago (apenas) na memória. É a história do dia em que este engenhoso fidalgo que vos escreve subiu na sua rocinante de aço rumo à sua mancha de terra natal tupini-polaca pela primeira vez.

Trovoada na noite de sampa

Foi assim

Na quinta-feira, véspera de um feriado, tomei uma decisão há dias namorada pelo meu coração: honrar a minha Shadow, que carinhosamente havia batizado de Trovoada, com uma viagem a Virmond, minha terra natal no interior do interior do Paraná.

Como dizem, decidi de supetão mesmo. Saí do trabalho um pouco mais cedo, comprei uma luva no caminho, double, triple check-list na mochila em casa, e às 20h30 estava tudo pronto. Toda a parafernalha amarrada. GPS ligado. O ruído dos motores escapando trovoadas. Agradeci ao Fábio, meu colega de apartamento, pela ajuda e disse-lhe o hasta la vista.

Era isso. 800 km me separavam de casa. Ia fazer escala em Curitiba, na casa de outro amigo, o famigerado “Batata”. Tempo estimado de chegada: 5 horas. Nada espetacular, pensei. Depois decansaria um pouco e partiria mais umas 4 ou 5 até Virmond.


Aquele comecinho de viagem, ah que sentimento indescritível. Até então meu xp com viagens era limitado ao banco do carona ou do busão. Agora era vento no rosto e guidão na estrada certa. Fora isso, não deve ter surpresa, só seguir o GPS, né. Aham.

Pra sair de sampa, precisava cair na BR116. E não demorou para o que caminho traçado gelasse meu coração principiante ao me fazer passar trovoando no meio da rua estreita de uma favela. O caminho íngreme pediu primeira marcha, e as lombadas da ruela enroscavam no chassi inferior. E o meu celular, que era o GPS, cintilava, sem proteção alguma de portas ou vidros fechados. Definitivamente não era o lugar mais seguro pra se estar.

Felizmente, logo pude respirar fundo ao chegar numa avenida bem movimentada. Dali para a 116 “foi dois palito”, como dizem por aí. Alguns km de estrada, e o vento e as nuvens do horizonte começavam a sussurrar uma ideia que eu não queria ouvir. Parei pra comer, abastecer, refletir um pouco sobre tudo aquilo. Ok, que refletir que nada, estava mesmo faceiro, ansioso por continuar na estrada.

Em frente, não pude me desvinciliar dos sussurros, já mais gritantes do que insinuantes, da atmosfera que me rodeava. A precipitação precipitar-se-ia, quisesse eu ou não. Aceitei e parei no acostamento para vestir a capa de chuva, lembrando de Humberto Gessinger:

É impossível domar a força do mar.

Por kilômetros segui num loop de chuviola, chuvisco, garoa e raios no horizonte. “Isso está superando minha expectativas”, pensava, “mas não que eu fizesse alguma questão de ir no modo hard”. O que realmente começava a preocupar é a demora da viagem, já que tinha que andar até 40% mais lento, dependendo da quantidade de água na pista.

Dando uma bela impressão de preces ouvidas, a chuva não demorou pra parar e assim ficou por um bom tempo. Quem sabe o Professor Charles não viu isso no cérebro e carinhosamente pediu à Tempestade que intercedesse?


“Ótimo”, pensava. “Assim posso chegar a tempo de dormir um pouco”. Queria chegar na terrinha natal ainda para o almoço. Bem, eis que não demorou para que eu alcançasse, adivinhem, um congestionamento. Depois descobri que a razão era a tal serra do cafezal. “Estão duplicando”, disseram-me.

Bom, como eu rodava sobre duas rodas, não tinha tanto problema em cortar o trânsito. Nessa hora fiquei um pouco com pena de quem estava sobre quatro: precisavam aguentar a espera e ponto (mas só um pouco de pena: eles tinham ar-condicionado e bancos reclináveis). Enfim, o principal contragosto em relação ao trânsito era que os braços cansavam de manobrar entre as carretas. E foi exatamente numa dessas manobras, entre duas carretas próximas demais, que consegui a façanha de enroscar o retrovisor.

De alguma forma que eu ainda não entendia como, o retrovisor afrouxou-se, de modo que ao apertá-lo (ele todo girava como se fosse um único parafuso), a rosca acabava com ele longitudinalmente à moto. Assim o espelho apontava para um lugar inútil, e eu não tinha nenhuma ferramenta. “Palmas!”, pensei.

Mas, porém, no entanto e todavia, olhei para os lados, e oras, eu estava no meio de centenas de carretas paradas. Foi realmente muito fácil encontrar uma chave emprestada — com o próprio motorista da carreta em que enrosquei na carroceria. E ele veio com lanterna e boa vontade pra me ajudar. Enquanto tentávamos realinhar o mecanismo (que então descobri, funcionava com duas porcas, uma marcava o fim da rosca e a outra apertava), o trânsito começou a fluir, lentamente.

“Guenta aí, já já a gente para e continua” disse o motorista. E lá ia eu, andando a 10Km/h com uma chave de boca entre a mão direita e o acelerador, e o retrovisor balançando. Creio que foram uns 3km assim, até que o trânsito parou novamente, o motorista voltou a me ajudar e poucos minutos depois estava tudo certo. Pronto para continuar a viagem. Cabe aqui um salve, obrigado caminhoneiros!

Na sequência, descer a tal serra do cafezal foi bem chato. Tinha neblina, e ultrapassar carretas super lentas era raramente uma opção.


O próximo fato notável de menção, não, na verdade os dois próximos fatos, desenrolam-se a seguir. Nesse momento a memória já começa a ficar turva, o que deve refletir um pouco do cançaço. Era meia noite e eu estava aproximadamente na metade do caminho.

Terminada a serra e o congestionamento, entra A Chuva, 2º Ato. Mas desta vez com a intensidade de um amante que não vê sua paixão há semanas. Eis que neste momento me dou conta que, minha mochila, presa no banco de trás, estava sem uma capa impermeável! Dava pra aguentar a chuviola mansa de outrora, mas a tempestada que caía ia fazer um estrago.

Não demorou para que chegasse em um posto, abasteci e perguntei se tinham algum saco plástico. O rapaz até foi procurar, mas parecia que eu estava sem sorte. Só parecia. Consegui um saco de lixo na lanchonete ao lado e finalmente pude proteger meus pertences.

E meus amigos(as), isso foi crucial. A quantidade de água que derramou do céu na sequência foi absurda. Eu não me atrevia a acelerar mais do que 40km/h. Vento, relâmpagos e tudo mais que uma boa chuva de verão tem direito. “melhor parar e espera passar?“, pensei, respondendo por fim um grande interno Não. Era a minha Trovoada abrindo caminho, enfrentando as dos céus. Claro, elas não durariam para sempre, deixei a tempestade pra trás.

Bem, eis que, depois de uns bons kilometros sem ver sombra de civilização, percebo ter visto, de canto de olho, uma placa sobre zona de proteção ambiental. Em um caso normal, os únicos pensamentos negativos que isso poderia provocar seriam do tipo “queria ter passado aqui de dia pra ver a paisagem”. Mas, este caso não era normal.

Em sampa, eu empiricamente havia descoberto, o tanque da Shadow dura 200km. Porém (e esse é um grande porém), descobri na prática que, na auto-estrada, o motor tende a trabalhar em rotação mais alta e consumir mais – diminuindo a autonomia para 150~160km. E lá estava eu, há 80km sem ver civilização.

E então 90, 100, 110, 120 km. Em uma guarita de pedágio, perguntei sobre a distância do próximo posto: “ah, uns 40 km”. Foi uma mistura de alívio com aquele som que a garganta faz quando se engole a frustração.

minha cara ao saber da distância do próximo posto

Isso porque, além de não saber se o combistível dava pra 40km, infelizmente não dá pra acreditar piamente em toda informação que te dão na rua, né? HG tem uma frase pra isso também:

É preciso fé cega e pé atrás.

Como dizem no Paraná, “fui tocando na maciota”, ou seja, segui viagem acelerando o mínimo necessário. Minha mente, assim todo comando corporal que dirigia à motocicleta, refletia “economizar combustível”. O ôdometro, zerado no último posto, marcava 120km quando a Trovoada pediu o tanque reserva. Tecnicamente eu tinha ainda 2 litros para percorrer trinta e poucos kilômetros, parecia factível, mas sempre fica aquele “e se?”.

Esse foi o período curto mais longo que já percorri. 2 da manhã, isolado, a chuva, ajudada pelo vento, encontrando cantos entre o capacete e a capa de chuva, já umidecia minha camiseta.

35km percorridos desde o pedágio, vejo uma placa: “Postos de serviços”. Respirei fundo para descobrir que era só pousada e lanchonete (ambos fechados). Havia apenas um pobre homem, sentado na área externa da lanchonete, aparentemente bebendo cachaça, parecia ainda não se importar com o fato de que as luzes estavam todas apagadas. Perguntei sobre posto de combustível, “6km”, foi a resposta.

“Tomara que esteja certo, tomara que esteja certo”. Nesse ponto eu já descia ladeiras “na banguela” e só esperava pelo melhor. Finalmente, vi a luz de alguma civilização, e logo um posto de combustível. Tinha rodado 39km na reserva. Eu queria abraçar o frentista de tanta alegria.


Daí para Curitiba, foi só continuar pilotando, sem grandes acontecimentos. Errei uma saída, mas não chegou a atrapalhar. 5h20 da manhã, e eu chamava meu amigo, que me mostrasse onde poderia estacionar.

Pra finalizar esta primeira parte da empreitada, enquanto tirava a capa de chuva, cometi um erro bem besta. Coloquei o celular sobre o banco da moto. O detalhe é que, ao manobrá-la até o estacionamento, não o tirei de lá. Só fui revê-lo quando meu amigo me mostrou um motorista de ônibus catando algo do chão. O celular havia caído do banco, no meio da rua, e provavelmente um carro passou por cima.


Avançando umas 8 horas, já parcialmente recomposto e alimentado, parto de Curitiba para o destino final. Deixarei de lado as tribulações de um novato sem GPS, apenas menciono que demorei um pouco mais que o normal pra encontrar a autoestrada.

Agora podia ver a paisagem, o dia estava claro, muito bonito mesmo. Depois de uma hora e meia de viagem, haviam barreiras de manutenção na pista. Esse momento foi notável. Estacionei no acostamento, tirei luvas e capacete, e deitei na grama ao lado, vendo as nuvens, pensando que logo estaria em casa. De início quis ter uma câmera para registrar o momento, mas então aceitei a efemeridade como parte da minha viagem.

deitei tão sublime quanto se pode imaginar


A partir daí era só a ansiedade de chegar em casa. Passei por várias cidades que já não lembrava mais que existiam. Também cruzei Guarapuava, que foi minha casa por 4 anos. Era fim de tarde, e o sol estava no horizonte! Não poderia ser mais bonito.

Cheguei em Virmond quase anoitecendo. Fiz o pequeno trevo e caí na rua que apontava a direção da minha casa. Essa rua virou estrada de campo, pois meus pais moram no sítio. Os amortecedores secos da Shadow judiavam, e faziam-me pilotar bem devagarinho.

Já perto de casa, vi o pessoal saindo curioso com o barulho que ouviam. Era a Trovoada. Eu estava chegando de surpresa, minha mãe não sabia se me dava uns tabefes ou abraçava. No fim foi divertido :)


E assim terminei minha empreitada. Sem muitas fotos, por adversidades do caminho, mas este texto agora traz mais vida à esta primeira aventura.

Caso não tenha lido, em outra postagem contei sobre o dia em que fui buscar a Trovoada.



comments powered by Disqus